Ligue-nos 217 801 072

Estamos aqui para ajudar

Processo de fertilização in vitro

Saiba todo o processo da fertilização in vitro

De acordo com dados da Associação Portuguesa de Fertilidade, 15% a 20% dos casais em idade reprodutiva sofrem de problemas de fertilidade. Esta pode ser causada por fatores masculinos (20 a 30% dos casos), femininos (30 a 40% dos casos) ou de ambos os membros do casal (30%). Nos restantes 5% a 10% dos casos, não existem causas detetadas para a infertilidade – definida como a incapacidade de alcançar uma gravidez depois de um ano de relações sexuais desprotegidas e regulares.

Entre as causas mais comuns para a infertilidade estão a diminuição do número de espermatozoides, a sua mobilidade reduzida, configuração anormal ou mesmo ausência (fatores masculinos) e fatores femininos como:

  • falência da ovulação;
  • obstrução das trompas;
  • doenças do útero;
  • muco cervical desfavorável;
  • endometriose; 
  • abortos de repetição.

Nalguns destes casos, a solução para concretizar o desejo de engravidar pode passar pela fertilização in vitro, ou seja, um tratamento de fertilidade em que o óvulo é fecundado em laboratório (com sémen do parceiro ou de um banco de gâmetas doados, dependendo dos casos), sendo o embrião daí resultante implantado no útero da mulher. 

Vamos, então, explicar-lhe o passo a passo da fertilização in vitro.

Estimulação ovárica

A primeira etapa inicia-se após o período menstrual e tem como finalidade estimular o crescimento folicular, de forma a que se desenvolvam vários ovócitos. Para tal, a mulher recebe uma injeção de hormona hCG (hormona da gravidez) ou hormona luteinizante (também conhecida por LH, tem como função regular a ovulação e o ciclo menstrual). Este processo de crescimento é controlado através de análises ao sangue e ecografias, o que tem um duplo objetivo:

  1. garantir o desenvolvimento de vários folículos maduros;
  2. evitar a ocorrência da hiperestimulação ovárica (uma complicação cuja incidência é, hoje em dia, inferior a 1%).

Através deste controlo, é programada a data para uma nova injeção de hormona hCG, com vista ao completo amadurecimento dos oócitos, bem como a colheita dos ovócitos.

Punção e laboratório

Cerca de 36 horas após a injeção de hCG, tem lugar a segunda fase do processo de fertilização in vitro: a aspiração folicular (também chamada de punção transvaginal). Esta é a fase da colheita dos ovócitos propriamente dita e é realizada sob o efeito de sedo-analgesia, por forma a minimizar o eventual desconforto inerente ao procedimento. Com uma duração de cerca de 15/20 minutos, esta técnica tem um risco muito baixo (0,1 a 0,2%). Após o procedimento, a mulher permanece na clínica, em observação, pelo período de 2 a 3 horas, sendo-lhe fornecidas todas as indicações quanto à medicação que terá de seguir. Esta consiste geralmente em comprimidos vaginais de progesterona, que têm como objetivo preparar o endométrio para a implementação dos embriões.

Caso a fertilização venha a ocorrer com recurso a sémen do companheiro da mulher, é também no dia da punção que se procede à sua colheita. Após 2 a 3 dias de abstinência sexual, o sémen é recolhido e imediatamente preparado em laboratório para a fecundação. 

Etapas de preparação laboratorial do sémen:

  1. Colocação numa estufa, a 37.ºC, simulando a função vaginal que permitirá a sua liquefação. 
  2. Simulação da ação do muco cervical feminino, procedendo-se, para tal, à centrifugação do sémen, durante 30 minutos, com vista à remoção de microorganismos, leucócitos, células germinais imaturas e espermatozóides anómalos.
  3. Purificação dos espermatozóides e sua incubação, pelo período de 1 hora.
  4. Simulação da ação natural do muco uterino e das trompas de Falópio, através da recolha dos espermatozóides com melhor morfologia e mobilidade;
  5. Colocação do sémen num catéter, contendo 500 000 a 1 milhão de espermatozóides.

Fecundação dos óvulos

Recolhidos os óvulos e preparados os espermatozóides, decorre a fertilização in vitro propriamente dita. Esta é a fase em que o espermatozóide é introduzido, por meio de microinjeção, no interior do oócito, colocando-se os folículos e os espermatozóides numa placa de cultura. Esta é posteriormente colocada numa incubadora, onde irá ocorrer a fecundação e o desenvolvimento embrionário.

Cultura embrionária em laboratório

Desde o momento em que se coloca a placa de cultura na incubadora até à transferência do embrião para o útero materno, o processo de fertilização é observado e controlado em laboratório.

Durante este período, é no laboratório que se confirma que o espermatozóide fecundou efetivamente o óvulo e que se controla o início da divisão celular que levará à formação do embrião. Todo o processo de formação é acompanhado, por forma a avaliar os vários fatores que indicam a qualidade do embrião e a sua aptidão para ser transferido para o útero materno.

Transferência embrionária

Dois a três dias após a punção, é chegado o momento de transferir os embriões para a cavidade uterina, onde permanecem até ao 8.º dia de gestação, momento em que podem atingir a capacidade de penetrar o endométrio, continuando o seu desenvolvimento. Este é um processo com uma duração de cerca de 5 minutos, realizado através de um catéter e sob controlo de uma ecografia, sem necessidade de nenhum tipo de sedação ou anestesia.

O número de embriões a transferir depende de vários fatores, nomeadamente:

  • fatores masculinos
  • idade da mulher
  • qualidade dos embriões obtidos.

Além disso, a decisão do casal é também sempre tida em conta.

Criopreservação dos embriões

Por forma a aumentar a taxa de sucesso dos tratamentos de fertilização in vitro, a lei portuguesa obriga à criopreservação dos embriões excedentários cuja qualidade seja garantida. Estes são mantidos durante um período de três anos (que pode ser prolongado por mais três), findos os quais o casal pode optar por doá-los ou destruí-los.

Dada a evolução significativa das técnicas de criopreservação, nomeadamente o recurso à técnica de congelação química (vitrificação), a taxa de sobrevivência dos embriões após descongelação é de cerca de 98%. A sua transferência para o útero materno, em caso de necessidade, é realizada através do mesmo procedimento da transferência de embriões “a fresco”.

Marque já a sua consulta para doação de ovócitos!

betgaranti.org -

dumanbet giriş

-
asyabahis giriş
betgaranti.org -

dumanbet giriş

-
asyabahis giriş